Cotidiano at Blog Ayrton Marcondes

Arquivo para ‘Cotidiano’ Category

John of God

escreva o seu comentário

God sempre é responsabilizado pelo que acontece no mundo dos humanos. Consta que impõe terríveis castigos quando se aborrece com os desmandos dos seres que criou. Não por acaso expulsou Adão e Eva do Paraíso, pecadores que se entregaram ao assédio da serpente do mal.

God tem seu nome associado a quase tudo. Religiões e seitas cada uma tem o seu God adaptado às crenças que professam. God é justo, imparcial, por vezes até acusado de descaso quando deixa os humanos à deriva. Sendo Ele o Senhor de tudo não deveria impedir a ocorrência de grandes catástrofes, por exemplo?

No momento fala-se muito da associação entre God e um homem chamado John. Esse John, também conhecido como João de Deus, durante anos empregou-se numa suposta ajuda espiritual e física a doentes e necessitados de toda ordem. Na cidade de Abadiania, Goiás, João se estabeleceu, abrindo uma “Casa” para a qual afluíam pessoas vindas de várias partes do mundo, todas em busca de socorro. Nas sessões realizadas na “Casa” João de Deus realizava inclusive cirurgias, dizendo-se tomado por entidades que nele encarnavam. Assim, o grande médium alcançou fama e reconhecimento a ele se remetendo inclusive pessoas famosas.

Benquisto e acolhido até na alta sociedade, mantendo contato com políticos importantes, João de Deus estabeleceu em torno de sua pessoa uma aura que transcendia a própria condição humana dada a sua relação pessoal com o “outro lado” e poder de cura.

As coisas andaram bem até que surgiram denúncias de abusos sexuais praticados pelo médium. Depois que uma mulher concordou em se apresentar e contar sua história de abusos sofrido na “Casa” de Abadiânia outras se sentiram encorajadas e denunciaram o médium. Casos escabrosos vieram à luz e hoje João de Deus cumpre pena em presídio.

Este que escreve esteve em Abadiânia e conheceu João de Deus. Há nas doenças graves um patamar que, se ultrapassado, nos conduz ao território situado além do conhecimento racional. No meu caso tratava-se do câncer de minha filha, ainda jovem, que já não respondia adequadamente aos tratamentos quimio e radioterápicos. Esperanças abaladas e a certeza de um epílogo indesejado levaram-nos à busca do milagre da cura por meios alternativos. E, por que não? Se era corrente que o médium operava curas verdadeiramente milagrosas, servindo-se da ação de entidades que nele encarnavam, por que não tentar essa última saída?

Foram cerca de cinco viagens ao interior de Goiás, participando de um bloco de pessoas que, ainda ao alvorecer, seguiam, vestidas de branco, em direção à “Casa”. Fé e esperança faziam parte da rotina em Abadiânia. Ali se ouviam pessoas se expressando em diferentes línguas. Certa ocasião eis que um russo foi ao microfone e relatou ter estado com câncer, desenganado pelos médicos. No estágio final da doença veio ao Brasil para ser socorrido por João de Deus. Eis que veio a conseguir sua cura considerada impossível e espantosa pelos médicos.

No vasto salão da “Casa” distribuíam-se pessoas que se acomodavam em bancos de madeira. Mas, do lado de fora, formavam-se longas filas de pessoas que participariam de meditações ou seriam atendidas pelo médium. Num dos lados do salão ficavam doentes com vários tipos de males, a maioria em cadeiras- de-roda. Estavam ali buscando o milagre da cura, a salvação.

O crime praticado por João de Deus pode ser entendido como afronta à humanidade. Ao submeter e explorar mulheres ali trazidas pelo desespero, induzindo-as a achar que seus favores sexuais fariam parte de alguma terapia, João de Deus rompia com a lógica do amor e descia aos subterrâneos da monstruosidade. Atos de tal natureza geravam distúrbios psicológicos graves que acompanhariam - e ainda acompanham - suas vítimas.

A relação entre o bem e o mal desafia a compreensão. Reinava nos domínios de João de Deus um clima de harmonia e grande paz. Ali, em contato com a natureza, pessoas vindas de diferentes regiões irmanavam-se num ato de fé consubstanciado na figura do grande médium. Mas, também ali o mal se introduzira e pelo mais podre caminho. A contradição faz parte do mundo em que vivemos e a ela estamos habituados. Entretanto, em certas circunstâncias ela se impõe de tal modo e agressividade que fica difícil compreendê-la.

São João

escreva o seu comentário

O dia 20 de junho marcava o início do período de festas. Seria um final de mês vibrante em meio aquele frio da montanha combatido com as labaredas de fogueiras. A lenha cortada com apuro vinha dali, perto de casa, do mato que naquele tempo cobria quase tudo. Era um mundo muito distante do que se conhece hoje.

Havia muito a se comemorar. Vida simples, rotina quase sem percalços. Depois do dia 20 as mulheres já areavam os tachos nos quais fariam os doces para as festas juninas. Doces de abóbora, batata, figos cristalizados ou em calda. Vez ou outra as peras e pêssegos em calda. Muitos e deliciosos doces aos quais se acrescentavam as paçocas, as pipocas, as talhadas, as rapaduras. O quentão, bebida de preferência, animava o espírito além de aquecer o corpo nas noites geladas.

Tudo preparado, na noite de são João armava-se a fogueira no fundo do quintal. Ao anoitecer ateava-se fogo à lenha e vinham as comadres para a festa. As pessoas acomodavam-se em torno da fogueira que, a essa altura, já tinha fogo alto. Então entravam em cena os pinhões e as espigas de milho verde, assados ao calor do fogo. Sem falar na batata doce que era de preferência geral.

A festa ia até tarde quando as pessoas se recolhiam. Mas, a noite de São João em pouco seria substituída pela de São Pedro. Em casa a festa de São Pedro, em 29 de junho, era ainda maior e mais animada que a de São João. Minha mãe fazia muita questão de comemorar o aniversário dela no dia 29 de junho. Ela preparava uma grande festa, no mesmo lugar da de São João, fogueira, quentão, doces, pinhões e tudo o mais. Inesquecível.

Ainda agora é possível rever aquelas pessoas, na sua vilazinha do interior, naqueles anos cinquenta. Estão lá, felizes, imutáveis ao calor do fogo gerado pela lenha queimada. Daquele grupo me parece não ter sobrevivido quase ninguém. A poucos de nós, crianças na época, coube a missão de chegar até esse São João de hoje, em 2020, para manter viva a memória das gentes que se foram. Memórias que também se apagarão quando o tempo passar e não houver mais ninguém para se lembrar disso.

Culpa do vírus

escreva o seu comentário

Agora todo dia é domingo. Você sai às ruas e encontra quase não encontra ninguém. Aquela senhora que passa depressa em direção à missa das sete da manhã, não a terão avisado de que todo dia é domingo e sempre haverá a missa das sete? Os poucos carros, o trânsito sem atropelos, afinal em que dimensão vivemos?

Culpa do vírus. Ele amordaçou as gentes. Espremeu-as nos seus cantos. Obrigou-as à impessoalidade das máscaras. A moça que vem na calçada, será ela bonita atrás do véu que cobre metade dos seu rosto? O encontro dos amantes está suspenso até segunda ordem. Não será possível, rapaz, conhecê-la, convidá-la para o que quer que seja, quem sabe para hoje mesmo à noite, num bar.

Culpa do vírus. Mesmo o mar se ressente. Lá está ele, com seu azul puríssimo, gastando inutilmente sua beleza. As ondas que chegam à areia entreolham-se espantadas: onde os pés que banham do alvorecer ao fim do dia? Os rapazes que se exercitam, as moças de biquini dourando seus corpos, a idosa que lê sentada na cadeirinha. Para onde foram todos?

Culpa do vírus. Culpa dos humanos que o deixaram se alastrar para todo canto do velho planeta. Culpa dos governos que se desentenderam com o perigo. Por isso todo dia agora é domingo. Por isso tudo segue fechado. Por isso a tristeza surda que emudece os homens. Por isso as crises de depressão que se avolumam, as crianças presas nas suas casas, a vida que corre o risco de ir, vagarosa e perigosamente, perdendo o sentido.

Culpa do vírus. Mas é domingo e daqui a poucos minutos o padre rezará a missa das sete para igreja vazia e o fantasma da apressada senhora que se perdeu nas vielas da cidade.

Maracanã 70 anos

escreva o seu comentário

O Maracanã faz 70 anos e a data deve ser comemorada. Estádio construído para a Copa do Mundo de 1950, realizada no Brasil, de lá para cá foi palco de muita história. A começar pelo jogo final daquela Copa do qual participaram as seleções do Brasil e a do Uruguai. A vitória do Uruguai, que se sagrou campeão mundial na presença de mais de 200 mil pessoas, é considerada uma das maiores tragédias na história de nossos país. Mas, o Maracanã, maior estádio do mundo na época, templo do futebol, ligou-se irreversivelmente à imagem do país. Aos ícones, futebol, mulatas e samba bem que se poderia acrescentar Maracanã.

A tragédia de 50 persistiu e ainda vive na memória de muitos brasileiros. Quando menino e rapaz ouvi narrativas sobre os lances do terrível jogo que a maioria dos brasileiros ouviram pelo rádio. Obdúlio Varela, defensor da equipe uruguaia, passou à posteridade como o grande carrasco do Maracanã. Barbosa, arqueiro da seleção nacional, jamais foi perdoado pela que foi considerada falha no gol uruguaio. Enfim, a festa para a qual um país necessitado de afirmação e vitórias se preparara deu no que deu, tristeza absoluta.

O Brasil foi campeão em 70 contando com memoráveis jogadores entre os quais estava Pelé. Na Copa de 70 houve o jogo contra o Uruguai, vencido pelos brasileiros. Nos dias que antecederam a partida a derrota de 50 era muito comentada. Temia-se o Uruguai. Nossa invejável seleção seria capaz de vencer qualquer adversário, mas o Uruguai era o Uruguai. Naqueles dias ouvi de um parente mais velho, que estivera no Maracanã na grande final de 50, a sentença de que perderíamos o jogo. Falava ele da falha de Bigode, lateral brasileiro, que propiciara ao uruguaio Schiaffino anotar o segundo gol que daria a vitória à sua seleção. Perder era uma sina.

Não tínhamos então televisão e o futebol era “assistido” pelo rádio. Durante anos ouviam-se narrações de jogos dos cariocas pelas vozes de Jorge Curi, Waldir Amaral e outros. Em São Paulo Pedro Luís, Edson Leite, Mário de Moraes… O futebol sempre foi e será a grande paixão das massas no país.

Em 1958 o Brasil foi pela primeira vez campeão mundial na Copa da Suécia. Pelé, com 17 anos de idade, encantava o mundo. Lembro-me de que por ocasião de um dos jogos eu estava doente, febril. Meu irmão, mais velho que eu, trouxe o rádio da sala para perto da cama onde eu estava deitado. Começado o jogo meu pai veio deitar-se na cama ao lado para a soneca pós-almoço. E pediu que eu desligasse o rádio. Meu irmão disse a meu pai que se tratava de um jogo do importante, era o Brasil na Copa do Mundo. Mas, meu pai nunca ligou para o futebol. Não torcia por nenhum time, o jogo de bola não o encantava. A solução foi devolver o rádio para a sala. Meio zonzo, levantei-me. Fazia frio. Ouvi a vitória do Brasil contra a Rússia, e a espetacular atuação de Garrincha, sentado numa cadeira, enrolado num cobertor.

É essa paixão que me obriga a curvar-me diante da glória do Maracanã.

Vida e morte

escreva o seu comentário

A cada dia recebemos estatísticas sobre o número de óbitos provocadas pelo Covid-19. No país mais de mil pessoas morrem diariamente infectados pelo terrível vírus. Mas, muita gente parece não se importar muito com isso. Basta sair às ruas para encontrar pessoas circulando sem tomar os mínimos cuidados de preservação contra a doença. Sendo recomendado o uso de máscaras que tal prendê-las ao pescoço, deixando-se livres a boca e o nariz? Assim, o cidadão cumpre sua obrigação de usar máscaras, mas do jeito dele.

As estatísticas de mortes são impessoais. Morreram mil pessoas que não conhecíamos no dia de ontem. Certamente as perdas serão irreparáveis para as suas famílias. Mas, para mim que ouço o noticiário enquanto tomo o café da manhã o que tantas mortes significam?

Já se disse que a dor só é realmente sentida quando a perda é pessoal. Se morre alguém a quem amamos ou somos muito próximos o fato pesa-nos sobremaneira. Entretanto, tudo isso é inquietante. Veja-se: ficamos alarmados quando recebemos notícia de um acidente aéreo. Cai um Boeing e mais de trezentas pessoas desaparecem. A notícia é divulgada em todo o mundo e há comoção. Especialistas correm ao público para garantir que o transporte aéreo é muito seguro. Você corre mais risco de ser vitimado num acidente de trânsito que em acidentes aéreos. Isso talvez nos sirva de consolo. Mas, o impacto da notícia liga-se à tragédia do acidente. Por que justamente aquelas pessoas estariam naquele voo como se fossem previamente condenadas a um esmo destino fatal? Some-se a isso situações nas quais os desastres aéreos não são esclarecidos. Há alguns anos um avião com mais de trezentas pessoas desapareceu num trajeto pela região da Ásia. Até hoje não se tem notícia sobre como e onde teria desaparecido. Famílias dos passageiros convivem com ausências inexplicáveis.

Os acidentes aéreos com vítimas despertam grande atenção. As milhares de mortes provocadas pelo Covid-19 tornaram-se rotineiras. Não as aceitamos, mas trata-se da contingência de uma epidemia. Sabemos que amanhã, no nosso café, receberemos a notícia de muitas mortes ocorridas no dia anterior. Mortes sem nome, distantes, mas perdas irreparáveis de seres humanos.

A morte nos impressiona quando nos acossa, quando se aproxima. Aí sim, ganha peso, gravidade. Nesta manhã li, no elevador de meu prédio, nota de falecimento de uma senhora, moradora do sexto andar. Eu a conhecia de vista, raras vezes troquei com ela pouquíssimas palavras de simples cortesia. Mas, ela fazia parte do meu mundo, do meu espaço. Pesou-me saber sobre seu velório e horário do enterro. Não a verei mais. Trata-se de uma morte que tem rosto, diferente de tantos desconhecidos trazidos pelas estatísticas.

Colombo decapitado

escreva o seu comentário

De certo modo ficamos com a imagem de herói relacionada a Cristóvão Colombo. O navegador partiu da Espanha com seus três navios, a nau maior Santa Maria e as caravelas menores Pinta e Nina. Na escola aprendemos que Colombo levantou âncoras do porto de Palos, rumo ao desconhecido. Navegando pelo Atlântico, em 12 de outubro de 1892 avistou terra na região da atual Bahamas. Assim se deu o descobrimento da América e Colombo tornou-se o seu descobridor.

Sobre Colombo existem informações nem sempre elogiosas. De parte da glória a ele atribuída pelo descobrimento corre o fato de ter sido violento com os indígenas, impondo-lhes torturas e estupros. Mesmo durante sua vida essas acusações pesavam contra ele que veio a falecer aos 55 anos de idade, em 1506, na Província de Valadolid.

Nos dias correntes manifestações de repúdio ao racismo tem ocorrido em várias cidades norte-americanas. O estopim para a revolta popular foi a morte do negro George Floyd provocada por um policial que o manteve sob o peso de seu joelho aplicado sobre o pescoço. Imagens do fato alcançaram os meios de comunicação e desencadearam manifestações nas quais não faltaram atos de violência. De lá para cá o não ao racismo espalhou-se inclusive entre populações de países europeus.

Na esteira da morte de Floyd outros nomes ligados a racismo e violências contra minorias tem sido lembrados. Entre eles o de Cristóvão Colombo. Por essa razão a estátua do navegador num parque da cidade de Boston foi decapitada, justamente pelas ações contra indígenas.

Aliás, no momento fatos semelhantes tem se repetido. Em Milão, norte da Itália, a estátua do jornalista Indro Montanelli amanheceu pichada com as palavras “estuprador” e “racista”, referência ao fato de Indro ter tido uma “noiva” de 12 anos, natural da Eritréia, país do nordeste da África.

Eclipses

escreva o seu comentário

Falha-me a memória sobre o caso de um náufrago português que, capturado pelos índios, teria se livrado do sacrifício graças a um eclipse. Não sei ao certo se tal se sucedeu em relação a Caramuru, náufrago português que passou a vida entre os indígenas da costa do Brasil. Seu nome era Diogo Álvares Correia e a alcunha de Caramuru foi a ele dada pelos Tupinambá.

Em menino ouvi de meu tio a história desse náufrago que escapou do suplício ao dizer aos índios que, caso o matassem, apagaria a luz do sol. Era dia em que ocorreria o eclipse e o náufrago safou-se por isso.

Os acontecimentos envolvendo fenômenos espaciais sempre despertaram a curiosidade e atraíram atenção. Meu pai era menino quando o Halley nos visitou, em 1910. A presença do enorme cometa, pairando no céu, despertou pânico. Acreditava-se que seria o fim do mundo. Como sempre acontece houve quem se aproveitasse da ocasião para vender baboseiras como garrafas com oxigênio, comprimidos milagrosos etc. Mas, a imagem do grande cometa permaneceu nas memórias tanto que ouvi de pessoas pertencentes a gerações que me precederam histórias referentes a ele. Aliás, o Halley tornou a estar nos nossos céus em 1986, desta vez mais menos aparente. Eu o vi numa noite, no céu da Serra da Mantiqueira. Distante, sorumbático, pouco se deu a exibicionismo. Deixara de lado o legado recolhido pelos homens a partir de 1910. Seu próximo passeio pelo espaço próximo à Terra está previsto para 2061 e será visto por todos caso a humanidade ainda persista no planeta.

Ao longo de minha vida presenciei uns poucos eclipses. Mas, reclamo daquilo que considero verdadeira fatalidade: a maioria dos eclipses acontece em ocasiões em que o céu está nublado. Assim fica-se na promessa de vir a observar um fenômeno sempre interessante.

Pois não é que para hoje está previsto um eclipse lunar? Será do tipo penumbral, ou seja, poderão ser vistas sombras na Lua. Daí a Lua parecer com cor diferente, próximo ao fumê. O Sol, a Terra e a Lua estarão nessa ordem, mas não perfeitamente alinhados. Daí uma parte da luz do Sol não chegar à Lua, então a penumbra.

Mas, adivinhe. Saia fora de sua casa e olhe para o céu. Torço para que você tenha sorte e veja o eclipse. Aqui onde estou o céu está nublado. Bem nublado.

Escrito por Ayrton Marcondes

5 junho, 2020 às 4:54 pm

escreva o seu comentário

O direito de falar

escreva o seu comentário

Acontece em reuniões familiares. Todos juntos, vinho e cerveja, piadas, risadas, o amor une os membros da mesma família. O irmão provoca a irmã mais velha, ela retruca, ele apela para um acontecimento da infância, tanto tempo atrás, como você se lembra? A irmã dá outra versão da história, o irmão sugere que ela mente, devagarinho a conversa esquenta. O vinho liberta a língua. Até que entra em cena aquela que é de fora, não viveu com eles, ela a cunhada, a mulher do irmão. A cunhada sai em defesa do marido, mete o dedo numa ferida há tanto fechada, por que justamente hoje, depois de um almoço tão bom, por que reabrir um caso que, nem sabíamos direito, nos machucara tanto? Segue-se a mãe repreendendo os filhos, lembrando-os que se amam tanto, por que raios isso agora? Ao que a cunhada, já em pé, faces rosadas e tremendo, declara alto e bom som: ele tem o direito de falar.

Então aquele fato ficara marcado para ele que até então não pusera para fora sua indignação. Mas, se ocorreu faz tanto, pondera um primo. Mas, existe sim o direito de falar sejam quais forem as consequências. O homem tinha isso entalado na garganta desde a infância. Mas a vida seguirá em frente. Os irmãos se estranharam e não existe esparadrapo que feche a ferida de uma vez. Um dia a mãe morrerá, deixarão de existir os almoços em família e os irmãos se falarão, talvez no natal, pelo telefone.

O ministro da Educação compara ação da Polícia Federal com o nazismo. Entidades judaicas do país e do exterior protestam. O ministro vem a público para garantir o seu direito de falar.

Questão de foro íntimo?

Certos assuntos podem e devem ser evitados. O nazismo exterminou judeus, trazê-lo à tona comparando-o com atos do dia-a-dia, existe esparadrapo que cubra essa ferida?

Desempregados

escreva o seu comentário

Ano passado foi de crise. Alardeado como princípio de governo e necessidade de reformas seriam dados os primeiros passos para que o PIB finalmente começasse a deslanchar. Os doze milhões de desempregados e a miséria refletiam a urgência em sair do buraco.

Entretanto, nem de longe se supunha sobre o que viria pela frente. Eis que o ano de 2020 se abre com razoáveis perspectivas de recuperação. Passam-se poucos meses e aparece no noticiário o fato de a China estar em combate com um novo vírus. O restante da história todo mundo conhece. O Covid-10 se espalhou pelo mundo, no Brasil morrem cera de mil pessoas por dia e não se sabe ao certo o número real de infectados. O confinamento paralisa a economia. Empresas demitem. Está armado o painel de desgraça progressiva a que somos submetidos no dia-a-dia.

Verdade que o vírus não respeita a riqueza. Para ele são indiferentes ricos, remediados e pobres. Assim, ninguém está livre do perigo de vir a ser infectado e, pior, de ir a óbito. Mas, se falamos em ricos e famosos não deixa de ser interessante o modo como esse grupo se apresenta e se protege nos dias que correm. Recolhidos às suas casas pessoas famosas destacam-se na mídia não pelo que fazem profissionalmente, mas pelo modo como vivem no período em que o confinamento os fasta dos holofotes. Assim, casas espetaculares são mostradas, mulheres explicam como se adaptam aos fazeres caseiros agora que seus exércitos de domésticas estão afastados, homens e mulheres cedem entrevistas sobre as rotinas de home office a que estão obrigados. Corpos esculturais relatam ao povo técnicas para manter-se em forma isso quando não se deixam fotografar com peças mínimas nas piscinas de suas casas. Há que se estar preparado para o momento em tudo voltar ao normal e as atividades reiniciarem.

Mas, nem tudo é favorável aos que pertencem às classes mais privilegiadas. Eis que também as empresas se ressentem da crise e veem-se na contingência de demissões para contenção de custos. Devido a isso pessoas que nos pareciam intocáveis tornam-se desempregadas do dia para a noite. Tem acontecido em empresas de vários setores, mas casos que mais chamam a atenção dizem respeito a pessoas que nos são mais familiares. Em particular aqueles que trabalham em meios de comunicação atraem mais a atenção. Redes de televisão demitem artistas e jornalistas de seu primeiro escalão. Fulano de tal a quem estávamos habituados a ver no vídeo nos últimos 25 anos não teve seu contrato de trabalho renovado. Querido pelo público a mídia apressa-se em apresentar opções para que o tal fulano volte a trabalhar. Conhecido ator que há 50 anos trabalha em rede televisiva é demitido e vem a público para dizer-se sem reservas financeiras e da dificuldade em manter-se em razão da idade avançada. De repente, o mundo privado das personalidades se abre sob outros aspectos aos olhos curiosos do povo.

A epidemia corrente não dá sinais de que venha a terminar brevemente. Enquanto perdurar seguiremos como coadjuvantes nessa interminável peça cujo tema principal é o mundo de cabeça para baixo.

No centro da pandemia

escreva o seu comentário

Não há como fugir. O noticiário funciona como um trombone, repetindo muito alto o som de poucas notas. O conteúdo é o desse sempre: número de infectados e óbitos.

Mas, o que espanta são os desacertos. Trava-se a céu aberto uma batalha intestina entre os homens que detém o poder. Acusações de lado a lado tornam o ar irrespirável. O Brasil já não é o Brasil. Deixaram-se de lado protocolos, urbanidade, solidariedade e, principalmente, responsabilidades.

A cloroquina deixa de ser assunto médico para se tornar arma em campos de batalha por detrás dos quais reinam somente interesses. Não há consenso entre autoridades federais e estaduais. Em pleno furor epidêmico dois ministros da saúde deixam o cargo, agora ocupado por um general.

Uma reunião ministerial é divulgada e estarrece a opinião. Os altos poderes da República navegam em tempestuoso mar de palavrões. Ministros alardeiam posições alarmantes. A presidência da República é alvo de indignações e pedidos de impeachment. Em meio à maior crise de sua história o desentendimento é a chave do desgoverno.

Mas, as mortes crescem dia-a-dia. Famílias inconsoláveis perdem entes queridos. O mercado da morte está em alta. Morre-se nas casas, a caminho de hospitais, à espera de internações, em leitos hospitalares pela falta de respiradores. Em algumas cidades hospitais já não têm vagas para receber doentes.

Há pouco estávamos no carnaval. Brincava-se na inocência de um futuro devastador. Em meio a tudo isso talvez a saída seja imaginar que, afinal, trata-se apenas de um sonho ruim. De manhã acordaremos, quem sabe sem lembrança do que foi sonhado. Ou seguir a recomendação do poeta Manuel Bandeira: tocar um tango argentino.